Telma Sueli Mesquita Grandi

Telma Sueli Mesquita Grandi




























Telma Sueli Mesquita Grandi lecionou na Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade de Uberaba e Centro Universitário Newton Paiva.

Telma Sueli Mesquita Grandi é farmacêutica-bioquímica, graduada pela UFMG, tem Mestrado em Microbiologia e Imunologia e especialização em Sistemática de Fanerógamas pela Universidade de Brasília (UNB). Desde garota gostava de dar aulas, estimulando seus alunos a aprenderem as ciências. Viajou por todos os continentes, sempre apontando as plantas nos parques e ao longo das estradas, dizendo seus nomes científicos.


Telma entrevistou herbalistas e coletou espécimes por onde andou, enriquecendo com milhares de exsicatas o herbário do Departamento de Botânica do Instituto de Ciências Biológicas (ICB-UFMG), onde ministrou Plantas Medicinais e outras matérias. Como diretora do Jardim Botânico da Fundação Zoo-Botânica (FZB-BH), chefiou o projeto de construção da sede. Sua conexão com o reino vegetal é uma inspiração e editou um livro gratuito como resultado disso: Tratado das Plantas Medicinais Mineiras, Nativas e Cultivadas.

O que segue é a apresentação da própria Telma:

Este livro foi escrito baseado em experiências profissionais de quase 40 anos, lecionando na Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade de Uberaba e Centro Universitário Newton Paiva, assim como em outras experiências profissionais. Durante esse tempo, muitos alunos participaram de pesquisas em sua cidade natal, coletando exsicatas (plantas secas) para posterior identificação botânica. Só em um trabalho publicado foram analisadas 5.000 exsicatas. Além disso, foram mais de 20 cursos de extensão ministrados em Alfenas, Machado, Ouro Preto, Lavras, Viçosa e Uberlândia. 

Ao iniciar meus trabalhos, tive a orientação do grande Professor José Martins Pinheiro Sobrinho. Com ele aprendi a base da fitoterapia e também fiz várias coletas em Ouro Preto e nos arredores de Belo Horizonte, quando ainda existia vegetação nativa em vários locais que hoje estão urbanizados. Além desses trabalhos, pude ainda coletar em várias cidades e serras como: a Fazenda Montes Claros, em Caratinga, Serra de Itabirito, Parque do Caparaó, Serra de Ouro Branco, Serra da Piedade, Serra da Moeda, Serra do Cipó, Serra Negra, o Morro do Chapéu, em Nova Lima, Pico do Itambé e ainda em Montes Claros e Grão Mogol.
Plantas-Medicinais-Mineiras__site__Alcacus
Foram entrevistados mais de 80 raizeiros deste Estado e, por isso, posso dizer que o conhecimento dessas pessoas simples é enorme e valioso, e agradeço a eles toda a colaboração que me prestaram. Outros pesquisadores publicaram seus trabalhos em Farmacologia e Fitoquímica, com as espécies medicinais de nosso Estado, e também esses trabalhos foram utilizados em nossa coletânea, mostrando, principalmente, o que já foi comprovado cientificamente. Em Minas Gerais, temos a influência de vários Grupos de origens diferentes que colonizaram nossas terras e trouxeram, com eles, várias espécies de seu local de origem, muitas se transformaram em subespontâneas. Em Ouro Preto, encontramos, nas frestas dos muros: Cymbalaria muralis, Fumaria officinalis, Parietaria officinalis, Lycopodium clavatum e outras espécies. Chegamos a coletar a Capsella bursa-pastoris, mas os locais onde a encontrei hoje são urbanizados. Junto a uma população de origem alemã encontramos Pimpinela magna, que eles chamam de agrião-do-mato. Em São Tomé das Letras, ainda pode ser encontrada a Urtica urens em seus terrenos baldios. Muitas plantas foram introduzidas pelos portugueses e pelos negros em Minas Gerais. A maioria das plantas medicinais cultivadas tem origem europeia. Já os negros contribuíram com muitas espécies na culinária mineira, tais como o ora-pro-nobis, o caruru, e o cará-miúdo, chamado de mangarito e só encontrado na cidade do Serro ou em uma comunidade negra de Contagem, Os Arturus. 

Levei três anos para coletar todas as plantas com flor e para os artistas desenharem e pintarem as aquarelas. Por diversas vezes tivemos que voltar ao local onde as plantas floresciam para novas coletas das espécies. 

É essa rica experiência que quero passar para vocês, e principalmente colocar que plantas medicinais podem causar muitos problemas se não forem observadas as quantidades em uso, pois a diferença entre o medicamento e o veneno é, às vezes, questão de dosagem. Tive, pois, a preocupação de colocar em cada espécie as contra-indicações, toxicidade e a moderna interação medicamentosa.
Com respeito à coleta, é necessário chamar a atenção para o cuidado com o local onde são feitas. Muitos, em Belo Horizonte, coletam plantas na beira dos passeios, onde corre a água de chuva, e, nesse caso, a planta pode estar contaminada com bactérias e parasitas. Lembro-me de um poço, em Taquaraçu de Minas, de onde a população apanhava água para beber, e ela estava com caramujos transmissores de parasitas. Outro fato que pode ocorrer é a coleta de plantas erradas, mas as figuras, em aquarela, facilitarão a identificação. Espero que esta obra venha contribuir para um melhor conhecimento das plantas medicinais. 

Telma Sueli Mesquita Grandi ~

O livro conta com belas ilustrações elaboradas pelos artistas Andréa VilelaJúlia BianchiMarcelo VianaRafael ZavagliSandra Bianchi e Tânia Mara Viana.



Imagens via Somos Verdes e Plantas Medicinais Mineiras




Please connect with me - I'm always happy to befriend.
(Caso queira conectar-se comigo, estou sempre feliz em ajudar.)

John Stuart Mill

John Stuart Mill



John Stuart Mill (Londres, 20 de Maio de 1806 — Avignon, 8 de Maio de 1873) foi um filósofo e economista britânico nascido na Inglaterra, e um dos pensadores liberais mais influentes do século XIX. Foi um defensor do utilitarismo, a teoria ética proposta inicialmente por seu padrinho Jeremy Bentham.

O que é Microeconomia ?

O que é Macroeconomia?


John Stuart Mill nasceu na casa de seu pai em Pentonville, Londres, sendo o primeiro filho do filósofo escocês radicado na Inglaterra James Mill. Mill foi educado pelo pai, com a assistência de Jeremy Bentham e Francis Place. Foi-lhe dada uma educação muito rigorosa e ele foi deliberadamente blindado de rapazes da mesma idade. O seu pai, um seguidor de Bentham e um aderente ao associativismo, tinha como objetivo explícito criar um gênio intelectual que iria assegurar a causa do utilitarismo e a sua implementação após a morte dele e de Bentham. James Mill concordava com a visão de John Locke a respeito da mente humana como uma folha em branco para o registro das experiências e por isso prometeu estabelecer quais experiências preencheriam a mente de seu filho empreendendo um rigoroso programa de aulas particulares.

Seus feitos em criança eram excepcionais; com a idade de três anos foi-lhe ensinado o alfabeto grego e longas listas de palavras gregas com os seus equivalentes em inglês. Com a idade de oito anos tinha lido as Fábulas de Esopo, a Anabasis de Xenofonte, toda a obra de Heródoto, e tinha conhecimento de Lúcio, Diógenes Laërtius, Isócrates e os Seis Diálogos de Platão. Também tinha lido muito sobre a história da Inglaterra.

Um registro contemporâneo dos estudos de Mill desde os oito aos treze anos foi publicado por Bain, que sugere que a autobiografia está longe de exagerar o volume de trabalhos. Com a idade de oito começou com o latim, Euclides e álgebra e foi nomeado tutor dos membros mais jovens da família. As suas principais leituras eram ainda em história, mas ele leu também os autores em Latim e Grego lidos normalmente nas escolas e universidades do seu tempo. Com dezoito anos, descreveu a si mesmo como uma "máquina lógica" e, aos 21, sofreu uma depressão profunda. Ele levou muitos anos para recuperar a auto-estima.

A obra de seu pai História da Índia foi publicada em 1818, após o qual, com a idade de doze, John iniciou um estudo intenso de lógica, lendo os tratados de lógica de Aristóteles no original. Nos anos seguintes foi introduzido na economia política e estudou Adam Smith e David Richard com seu pai - tendo acabado por completar a teoria econômica dos fatores de produção destes.

John Stuart Mill trabalhou na Companhia Inglesa das Índias Orientais, lidando com a correspondência rotineira referente à atuação do governo inglês na Índia. Aos 25 anos, apaixonou-se por Harriet Taylor, uma mulher linda e inteligente, porém casada, que veio exercer grande influência no trabalho de Mill. Cerca de vinte anos depois, quando seu marido faleceu, Harriet Taylor se casou com John Stuart Mill. Ele se referia a ela como "dádiva-mor da minha existência" e ficou inconsolável quando ela morreu sete anos depois.

John Stuart Mill ficou horrorizado com o fato de as mulheres serem privadas dos direitos financeiros ou das propriedades e comparou a saga feminina à de outros grupos de desprovidos. Condenava a ideia da submissão sexual da esposa ao desejo do marido, contra a própria vontade, e a proibição do divórcio com base na incompatibilidade de gênios. Sua concepção de casamento era baseada na parceria entre pessoas com os mesmos direitos, e não na relação mestre-escravo.

Devido aos seus trabalhos abordando diversos tópicos, John Stuart Mill tornou-se contribuinte influente no que logo se transformou formalmente na nova ciência da psicologia. Ele combatia a visão mecanicista de seu pai, James Mill, ou seja, a visão da mente passiva que reage mediante o estímulo externo. Para John Stuart Mill, a mente exercia um papel ativo na associação de ideias.

Stuart Mill desenvolveu, em seu livro A System of Logic, os cinco métodos de indução que viriam a ser conhecidos como Os Métodos de Mill.

Vida de John Stuart Mill

1806: a 20 de Maio nasce John Stuart Mill em Londres; filho do também filósofo e economista James Mill, casado um ano antes, Stuart Mill surge numa época economicamente conturbada para a família Mill: o pai provinha de uma família humilde da Escócia e a mãe, ainda bastante jovem, era igualmente de condição modesta; é Sir John Stuart Fettercairn que virá a apadrinhar Stuart Mill, tal como já fizera com o pai, financiando parte dos seus estudos até 1819, ano em que James é nomeado para o Ministério das Índias Orientais com a posição de assistente;
1809: com apenas três anos de idade, o pequeno Mill começa a aprender grego; o pai é que instrui Mill, rejeitando o ensino institucional e apostando tudo na tentativa de criar um gênio intelectual, capaz de defender o utilitarismo do tio, Bentham; as obras que Stuart leu em tenra idade são imensas; dos oito aos doze anos Stuart lia grego e latim no original;

1818: James Mill publica História das Índias Britânicas, edição que lhe vale a nomeação, primeiro, para assistente e, depois, para Examinador da correspondência política com o estrangeiro; esta data marca a melhoria das condições de vida da família

1820: Stuart Mill abandona a Grã-Bretanha e viaja até ao sul de França; fica hospedado em casa de Samuel Bentham, general e irmão do filósofo Jeremy Bentham um dos fundadores da teoria utilitarista; acompanha estudos de lógica, metafísica, química, matemática e zoologia na Universidade de Montpellier; estes dias foram por ele considerados os mais felizes da sua vida;

1822: Regressando a Inglaterra lê o Tratado de Legislação de Jeremy Bentham; este livro será fundamental na sua formação enquanto filósofo, quer como continuador que foi, quer como reformador do utilitarismo que tentou ser; o mundo deveria ser convertido num lugar melhor, ditame que Stuart Mill vê como impulsionador de uma moral da felicidade, na esteira dos gregos, com certeza, mas reformulada pelos insights, que considerava geniais, de J. Bentham; entretanto, funda a Sociedade Utilitarista, a qual viveria apenas alguns anos;

1825: Substituição da Sociedade Utilitarista pela Sociedade em Debate (Debating Society); Mill, aberto a novas influências, diverge significativamente das ideias de seu pai e do seu tio, publicando vários artigos em revistas como a Westminster Review; a Sociedade em Debate é um reflexo dessa abertura e dessa nova sensibilidade eclética;

1826: Crise e depressão abatem o físico, a psique e a moral de Mill; as razões plausíveis são o trabalho extenuante, as divergências familiares, sobretudo com o seu pai, e uma certa insatisfação ou frustração intelectual;

1830: Conhece Harriet Taylor, casada e mãe de dois filhos; Harriet seria a sua grande paixão e o seu grande amor, influenciando-o sobremaneira, mesmo no concernente à sua filosofia;

1831: Começa a corresponder-se com Thomas Carlyle; esta correspondência foi fundamental na redefinição da linha que Mill seguirá, em confronto com Bentham; Stuart Mill procura agora um encontro profícuo com a velha filosofia helênica, aquela que ele primeiro conhecera há mais de vinte anos atrás;

1834: É nomeado Diretor da Westminster Review; a sua filosofia é agora claramente divergente de Bentham;

1835: Seu pai, James Mill, declina ameaçado por um cancro pulmonar, vindo a morrer a 23 de Junho de 1836;

1840: A esta altura lê TocquevilleAugusto Comte; a influência da chamada filosofia positiva faz-se sentir e o pragmatismo revela-se-lhe fundamental, ainda mais do que antes; a democracia e a maioria são conceitos que lhe serão muito caros; o reformismo social marcará, a partir de agora, a sua filosofia e a sua atuação;

1841: Inicia-se a correspondência com Augusto Comte, a qual se manterá. 

1843: É publicado o Sistema de Lógica Dedutiva, considerada uma das obras mais relevantes de Mill;

1848: São publicados os Princípios de Economia Política, obra muito importante para compreender algumas das mais importantes influências sobre o espírito de Mill, bem como o seu percurso intelectual, agora com laivos de 'Socialismo';

1851: Mill casa-se com Harriet Taylor, um dos espíritos que muito influenciou o seu pensamento, incluindo as obras editadas antes do casamento, direcionando o utilitarismo do filósofo no sentido do Socialismo ou da Ação Social;

1854: Entre 1854 e 1860 Mill escreve aquela que é, provavelmente, a sua obra mais conhecida e com mais repercussões, Utilitarismo;

1858: Morre Harriet ficando Mill, agora reformado após a extinção da Companhia das Índias, com Helen Taylor, filha de Harriet com o marido anterior, vivendo em Avinhão junto ao cemitério onde foi sepultada a sua esposa;

1859: É publicado o livro A Liberdade;

1861: São publicadas as obras Utilitarismo (nas edições da Frazer's Magazine de Outubro, Novembro e Dezembro) e O Governo Representativo; o Utilitarismo foi muito lido e comentado, quer favorável quer antagonicamente, e grangeou-lhe renome e publicidade na sociedade da época; entretanto escreve o Sujeição das Mulheres em co-autoria com a filósofa e amiga Harriet Taylor;

1865: Toma assento na Câmara dos Comuns, eleito por Westminster como candidato radical, defendendo causas como o sufrágio feminino e o reconhecimento da igualdade das mulheres na vida pública;

1868: A Câmara dos Comuns é dissolvida e Mill perde o lugar não voltando a ser eleito, no entanto ganha a Câmara de Avinhão;

1869: É publicado o Sujeição das Mulheres; no domínio da intervenção pública defende uma reforma da propriedade rural em todo o Reino Unido, bem como uma lei agrária mais justa para os agricultores Irlandeses, reivindicação que as populações agrícolas daquele território manterão até ao próximo século;

1873John Stuart Mill morre em Avinhão de erisipela infecciosa a 8 de Maio; repousa no mesmo túmulo da sua esposa, Harriet Taylor no Cimetiere de St. Véran, Avinhão, Provença-Alpes-Costa Azul na França.

Trabalhos sobre a religião

A crítica de Mill sobre as tradicionais doutrinas religiosas, as instituições e sua promoção da “religião da humanidade”, também dependia, em grande medida, de suas preocupações sobre a cultura humana e a educação. Embora os “filósofos radicais” de Bentham, Mill incluso, acreditavam que o cristianismo era uma superstição particularmente perniciosa que encorajou a indiferença ou hostilidade para a felicidade humana (a pedra angular da moralidade utilitarista), Mill também acreditava que a religião poderia servir às importantes necessidades éticas, fornecendo-nos "concepções ideais maiores e mais bonitas do que poderíamos ver concretizados na prosa da vida humana." (CW, X.419). Ao fazê-lo, a religião eleva nossos sentimentos, cultiva a simpatia com os outros e impregna até mesmo nossas atividades corriqueiras com um sentido de propósito.

A publicação póstuma Três Ensaios sobre Religião (1874), sobre "Natureza", a "Utilidade da Religião" e o "Teísmo", criticou os tradicionais pontos de vista religiosos e formulou uma alternativa sobre a aparência da Religião da Humanidade. Junto com a crítica dos efeitos morais da religião - que ele compartilhou com os Benthamistas, Mill também criticou a preguiça intelectual que permitiu a crença em um Deus onipotente e benevolente. Cria, do mesmo modo que seu pai, que o mundo como nós conhecemos não poderia ter surgido de tal Deus, caso contrário não existiria o mal desenfreado que cerca a vida de cada um de nós. Dizia que ou o poder de Deus é limitado ou Ele não é todo benevolente.

Além de atacar os argumentos relativos à essência de Deus, Mill questiona com uma série de argumentos a Sua existência, incluindo argumentos a priori. Ele conclui, usando o argumento tradicional – derivado de Aristóteles – que as únicas provas legítimas de que Deus é um a posteriori e responsável provável da concepção do universo, são as características complexas do mundo, pouco prováveis de terem surgido ao acaso, portanto, deve ter havido um designer. Mill reconhece que Darwin, em 1859, possa ter fornecido uma explicação totalmente naturalista, mas ele acreditava que era muito cedo para julgar o sucesso de Darwin.

Inspirado por Comte, Mill considera uma alternativa a religião tradicional a Religião da Humanidade, na qual uma humanidade idealizada se torna um objeto de reverência e as características moralmente úteis da religião tradicional são supostamente purificadas e acentuadas. A humanidade se torna uma fonte de inspiração ao ser colocado imaginativamente dentro do drama da história humana, que tem um destino ou ponto, ou seja, a vitória do bem sobre o mal. Como Mill coloca, a história deveria ser vista como "o desdobramento de um grande épico ou ação dramática" que termina “na felicidade ou miséria, na elevação ou degradação da raça humana.” “É um conflito constante entre o bem e poderes do mal, dos quais cada ato feito por qualquer um de nós, insignificantes como somos, constitui um dos incidentes.” Quando começamos a nos ver como os participantes desse drama maniqueísta, combatendo ao lado de Sócrates, Newton e Jesus para assegurar a vitória final do bem sobre o mal, nos tornamos capazes de uma maior simpatia e um sentido enobrecido do significado de nossas próprias vidas. A Religião da Humanidade, assim, age como um instrumento da cultura humana.

Sujeição das mulheres

Escrito em 1869, neste livro Mill ataca o argumento que dizia que as mulheres são naturalmente piores do que os homens em certos aspectos e que, por isso, elas deviam ser desencorajadas e proibidas de realizarem certos atos. Ele diz que se não se sabe do que as mulheres são capazes, é porque os homens nunca as deixam tentar – e não se pode fazer uma afirmação autoritária sem evidências.

Cria que os homens da sua época não poderiam saber qual era a natureza da mulher porque ela estava empacotada na maneira em que fora criada – induzida a agir como se fosse fraca, emotiva e dócil. Sugeriu que um experimento deveria ser feito para que se descobrisse o que as mulheres podiam ou não fazer.

Ele ataca, também, as leis do casamento, que ele compara à escravização da mulher, “não restam escravos legais, com exceção das senhoras em cada casa”.

O trabalho de Mill é claramente utilitarista e ele argumenta usando três considerações: o bem maior imediato, o enriquecimento da sociedade e o desenvolvimento individual. Ele defende uma reforma na legislação do casamento, pois este é reduzido a um acordo comercial. Junto com outras propostas, apoia a mudança das leis de herança, que permitiriam as mulheres a manter suas próprias propriedades e trabalharem fora de casa, ganhando independência e estabilidade financeira.

John Stuart Mill é um ferrenho defensor do sufrágio para mulheres. Segundo ele, elas representam metade da população e tem o direito de votar, já que as políticas públicas as afetam também.

O modo como Mill interpretou certos assuntos variou com o tempo, mas há uma forte coerência em sua abordagem sob o ponto de vista do utilitarismo e o bem da sociedade. Por exemplo, cria que nada deveria ser tachado como “errado” só porque assim parece ou porque ninguém o fez no passado. Ao considerarmos nossas políticas, dizia ele, nós devemos procurar a maior felicidade do maior número de pessoas.

Com relação ao progresso da sociedade, Mill advogava que o bem maior é entendido, num sentido muito amplo, como sendo a evolução moral e intelectual da sociedade. Dizia que sociedades diferentes se encontravam em diferentes estágios de desenvolvimento ou civilização e, por isso, soluções diferentes seriam requeridas para cada uma delas. O que importa é como nós as encorajaríamos a avançar mais. Podemos dizer o mesmo sobre individuos. Mill tem uma ideia bastante específica do progresso individual, (1) Empregando faculdades superiores, (2) desenvolvimento moral, as pessoas colocam o estreito interesse por trás delas.

Escreveu que nós somos independentes, capazes de mudança e de sermos racionais. Dizia que a liberdade individual é a melhor rota para o desenvolvimento moral. Conforme nós nos desenvolvemos, somos capazes de nos autogovernarmos, tomarmos nossas próprias decisões e não dependermos do que os outros nos dizem para fazer. Democracia, para Mill, era uma forma de liberdade individual – tanto para homens quanto para mulheres. Isso significa dizer que, desde que nós não causemos danos aos outros, nós deveríamos ser livres para expressar nossa natureza e experimentar com as nossas vidas. O governo representativo, na visão de Mill, é uma maneira útil para nos fazer pensar sobre o bem comum.

Princípios da Economia Política

Escrito em 1848, foi um dos compêndios econômicos ou políticos mais importantes da metade do século dezenove. Há uma consolidação do pensamento econômico clássico – todas as escolas estão nele presentes: Smith, Richaro, Say, Fisiocracia, Mercantilismo, etc.

No primeiro livro, intitulado produção, Mill explora a natureza da produção, começando com o trabalho e sua relação com a natureza. Mill afirma que “os requisitos da produção são dois: trabalho e objetos naturais apropriados”. Por objetos naturais apropriados se entendem o capital, a terra e meios de produção. Mill afirma mais adiante que “o trabalho no mundo físico é, portanto, sempre e somente empregado para colocar os objetos em movimento; as propriedades da matéria, as leis da Natureza, fazem o restante”. Essa visão do trabalho como deslocador de objetos físicos é importante, pois destaca o fato de que os objetos físicos não são capazes de variabilidade por si só; o que estabelece a variabilidade é o trabalho humano. Assim, o fator trabalho receberia o equivalente à sua contribuição - o salário - e o fator capital o equivalente ao seu lucro. Referindo-se à renda da terra, Mill afirma que “a renda (…) é o preço pago pelo uso de um agente natural apropriado. Esse agente natural é certamente indispensável como qualquer outro implemento; mas ter de pagar um preço por ele não o é.” Ainda que Mill não compartilhe da ideia de “contribuição de fatores”, sua visão universalista do processo de produção provoca confusão. Por exemplo, a noção que tem de capital (meio de produção) não se aplicaria somente a uma economia de trabalho assalariado voltada para a obtenção do valor excedente (a organização econômica que prevalece nos últimos duzentos anos), mas a qualquer organização econômica. Em suas próprias rugas : “supus que os trabalhadores sempre subsistem a partir do capital; e este é um fato óbvio, ainda que o capital não seja necessariamente fornecido por uma pessoa denominada capitalista”. Assim, toda e qualquer sociedade teria um fundo de capital que possibilita as condições de produção, ou de reprodução, em períodos posteriores. Nesse sentido, todas as pessoas seriam capitalistas. Há simplesmente grandes e pequenos capitalistas.

No livro segundo, denominado Distribuição, Mill diz que esta é uma questão das instituições humanas somente. Diz ele que “A distribuição da riqueza, portanto, depende das leis e costumes da sociedade. As regras pelas quais ela é determinada são feitas pelas opiniões e sentimentos que as partes dirigentes estabelecem e são muito diferentes em épocas e países diversos; e poderia ser ainda mais diferente se a Humanidade assim escolhesse”. O terceiro livro trata da troca e a lógica pela qual Mill percebe o mundo econômico é a seguinte: a riqueza é produzida segundo leis naturais; a seguir, ela é distribuída segundo leis convencionadas; finalmente, é trocada, também segundo leis convencionadas e consistentes com as leis da distribuição. A troca se dá no mercado; os bens são trocados por valores equivalentes. Daí a questão do valor ser básica para a compreensão do processo de troca. Já o quarto trata da influência do progresso da sociedade sobre a produção e a distribuição, aonde, para Mill, a impossibilidade de se evitar, em última instância, o que ele denominou de estado estacionário, não deveria ser vista com pessimismo. O estado estacionário seria, por definição, o da Economia que se reproduz sem ampliação. Segundo Mill, isso poderia ser bom, pois seria consistente como “o melhor estado para a natureza humana,(…) no qual embora ninguém seja pobre, ninguém deseja ficar mais rico, nem tem razões em temer ser passado para trás, em virtude do esforço de outros para ir em frente”. Por fim, a influência do governo é tratado no livro cinco. Simplificando a posição de Mill, podemos dizer que a interferência do governo tem aspectos bons e aspectos ruins; portanto, a interferência deve ocorrer de forma a maximizar os aspectos bons e a minimizar os aspectos ruins. Um critério fundamental de “bom” e “ruim” é o efeito sobre a “liberdade do indivíduo”; se esta é restringida, é ruim; se ampliada, é bom. Ele era crítico da concentração de renda sem o devido trabalho.





Please connect with me - I'm always happy to befriend.
(Caso queira conectar-se comigo, estou sempre feliz em ajudar.)

Alfred Marshall

Alfred Marshall




Alfred Marshall (Londres, 26 de julho de 1842 — Cambridge, 13 de julho de 1924) foi um dos mais influentes economistas de seu tempo. Seu livro, Princípios de Economia (Principles of Economics) procurou reunir num todo coerente as teorias da oferta e da demanda, da utilidade marginal e dos custos de produção, tornando-se o manual de economia mais adotado na Inglaterra por um longo período.

O que é Microeconomia ?

O que é Macroeconomia?


Alfred Marshall cresceu no subúrbio londrino de Clapham e foi educado na Merchant Taylor's School onde demonstrou aptidão para a matemática. Apesar de ter demonstrado interesse em tornar-se ministro da Igreja anglicana, sua trajetória bem sucedida na Universidade de Cambridge o levou a tomar a decisão de seguir uma carreira acadêmica. Tornou-se professor em 1868, especializando-se em economia política. Ele desejava melhorar o rigor matemático da teoria econômica e transformá-la numa disciplina mais científica. No anos 1870, ele escreveu um pequeno número de trabalhos sobre o comércio internacional e os problemas do protecionismo. Em 1879, muitos destes textos forma compilados em uma obra intitulada A Teoria Pura do Comércio Exterior e A Teoria Pura dos Valores Domésticos - The Pure Theory of Foreign Trade: The Pure Theory of Domestic Values. No mesmo ano, publicou em conjunto com sua mulher, Mary Payley Marshall, A Economia da Indústria - The Economics of Industry.

Em Cambridge, Alfred fora professor de economia política de Mary Payley, uma das primeiras mulheres inglesas a alcançar o grau universitário. Os dois casaram-se em 1877, forçando Marshall a abandonar seu posto em Cambridge em razão das regras daquela universidade sobre o celibato. Ele tornou-se diretor do University College, em Bristol, lecionando novamente sobre economia política. Aperfeiçoou seu Economia da Indústria e o publicou em 1879 como um manual para uso dos estudantes de economia; sua aparência simples apoiava-se sobre fundamentos teóricos sofisticados. Marshall alcançou certa fama com seu trabalho e, após a morte de William Jevons em 1881, tornou-se o mais influente economista britânico de seu tempo.

Em dezembro de 1884, após a morte de Henry Fawcett, Marshall retornou a Cambridge, como professor de economia política. Ali, ele procurou criar um novo tripos para a economia, o que só conseguiu em 1903. Até então, a economia era ensinada sob os triposes de Ciências Morais e Históricas, que não propiciavam a Marshall o tipo de estudante - ativo e especializado - que ele desejava.

Alfred Marshall começou a trabalhar em sua obra seminal, os Princípios de Economia - Principles of Economics -  em 1881 e consumiu boa parte da década seguinte trabalhando em seu tratado. O seu plano para a obra gradualmente se estendeu para uma compilação em dois volumes de todo o pensamento econômico; o primeiro volume foi publicado em 1890 sendo aclamado mundialmente, o que o colocou entre os principais economistas de seu tempo.

Nas duas décadas seguintes, ele trabalhou para completar o segundo volume dos Princípios, que deveria tratar do comércio internacional, do dinheiro, das flutuações comerciais, dos impostos e do coletivismo. Mas sua atenção obstinada aos detalhes e seu perfeccionismo o impediram de dar conta do fôlego da obra. O segundo volume nunca foi completado e muitas outras obras de menor vulto nas quais ele começara a trabalhar - por exemplo, um memorando sobre política comercial para o ministro inglês das finanças - Chancellor of the Exchequer - na década de 1890 - foram deixadas incompletas pela mesma razão.

Seus problemas de saúde foram se agravando gradualmente a partir dos anos 1880. Em 1908 ele se aposentou da universidade. Ele esperava continuar trabalhando em seus Princípios, mas sua saúde continuou a deteriorar e o projeto continuou a crescer a cada nova investigação. A explosão da Primeira Guerra Mundial em 1914 o impeliu a revisar suas análises da economia internacional. Em 1919, aos 77 anos de idade, ele publicou Indústria e Comércio - Industry and Trade. Esta obra era um tratado mais empírico que os Princípios e, por esta razão, não alcançou tantos elogios de economistas teóricos quanto aquele. Em 1923, ele publicou Moeda, Crédito e Comércio - Money, Credit, and Commerce - um amplo amálgama de ideias econômicas anteriores, inéditas ou já publicadas, estendendo-se a quase meio século.

Marshall faleceu em sua casa, Balliol Croft, em Cambridge (Inglaterra) aos 81 anos de idade.

De 1890 a 1924 ele foi o fundador respeitado da profissão economista. Seus alunos em Cambridge tornaram-se figuras proeminentes na economia, como John Maynard Keynes e Arthur Cecil Pigou. Seu mais importante legado foi criar para os futuros economistas uma profissão respeitada, acadêmica e científica, dando o tom naquela área pelo restante do século XX.



Please connect with me - I'm always happy to befriend.
(Caso queira conectar-se comigo, estou sempre feliz em ajudar.)






Tim Brown

Tim Brown








































Tim Brown é CEO e presidente da IDEO. Frequentemente fala sobre o valor do Design Thinking e inovação para empresários e designers de todo o mundo. Participou do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, e suas conversas Serious Play and Change by Design aparecem no TED.com.

É designer industrial por formação, Tim ganhou inúmeros prêmios de design e já expôs trabalhos na Galeria Axis em Tóquio, no Museu do Design em Londres, e no Museu de Arte Moderna de Nova York. Ele tem especial interesse na convergência de tecnologia e as artes, bem como as formas em que o design pode ser usado para promover o bem-estar das pessoas que vivem nas economias emergentes.

Ele é membro do conselho de curadores da IDEO.org e atua no Mayo Clinic Innovation Advisory Council and the Advisory Council of Acumen, um empreendimento global sem fins lucrativos focada em melhorar a vida dos pobres. Além disso e escreve para a Harvard Business Review, The Economist, além de outras publicações proeminentes. 

Livro sobre como o Design Thinking transformou organizações: Change by Design: How Design Thinking Transforms Organizations and Inspires Innovation


SPEAKING HIGHLIGHTS

May 2014, “Design Thinking in Healthcare,” Patient Centered Innovation Summit, Cleveland Clinic, Cleveland, OH
March 2014, “The Future of Making,” SXSW, Austin, TX
November 2013, “Design for Complexity,” Drucker Forum, Vienna, Austria
October 2013, “The 3rd Age of Design,” Design Herald Design Forum, Seoul, Korea
April 2013, “Leaders Forum,” Yale School of Management, New Haven, CT
March 2013, “Design Thinking,” The Commonwealth Club, San Francisco, CA
September 2012, “Designing for Impact,” 2012 Clinton Global Initiative Annual Meeting, New York, New York
April 2010, “Design Thinking: Leveraging Ideas,” Global Philanthropy Forum Conference, Redwood City, CA
October 2009, “What Happens with a Design Thinking Approach to Health Care,” TEDMED, San Diego, CA
July 2009, “Change by Design,” TEDGlobal, Oxford, UK
May 2009, “Redefining Industrial Design and Pioneering Concepts of Service Design,” Talking Design Series, Victoria and Albert Museum, London, UK
May 2008, “Management 2.0: Inventing the Future of Management,” MLab, Woodside, CA
May 2008, “'Game Changer' Conversation: Innovation by Design,” Nantucket Conference, Nantucket, MA
May 2008, “Serious Play,” Art Center Design Conference, Pasadena, CA
January 2008World Economic Forum, Davos, Switzerland
December 2007, “How Design Thinking Builds Opportunities,” Stanford Breakfast Briefing, Palo Alto, CA
February 2006World Economic Forum, Davos, Switzerland
March 2005, “Innovation by Design,” Better by Design 2005, Auckland, New Zealand
December 2004, “Business Design: The New Competitive Weapon,” Rotman MBA Business Conference, Toronto, ON, Canada
April 2004, “Plenary Speech,” CHI2004, Vienna, Austria
July 2003Spark:03 Conference
O que é o Design Thinking ?
Livro: Change by Design: How Design Thinking Transforms Organizations and Inspires Innovation




Please connect with me - I'm always happy to befriend.
(Caso queira conectar-se comigo, estou sempre feliz em ajudar.)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...